23.
Dos crentes

 

Em nome de Deus, oClemente, o Misericordioso.

 

1.

É certo que prosperarão os fiéis,

2.

Que são humildes em suas orações.

3.

Que desdenham a vaidade

4.

Que são ativos em pagar o zakat.

5.

Que observam a castidade,

6.

Exceto para os seus cônjuges ou cativas - nisso não serão reprovados.

7.

Mas aqueles que se excederem nisso serão os transgressores.

8.

Os que respeitarem suas obrigações e seus pactos,

9.

E que observarem as suas orações,

10.

Estes serão os herdeiros.

11.

Herdarão o Paraíso, onde morarão eternamente.

12.

Criamos o homem de essência de barro.

13.

Em seguida, fizemo-lo uma gota de esperma, que inserimos em um lugar seguro.

14.

Então, convertemos a gota de esperma em algo que se agarra, transformamos o coágulo em feto e convertemos o feto em ossos; depois, revestimos os ossos de carne; então, o desenvolvemos em outra criatura. Bendito seja Deus, Criador por excelência.

15.

Então morrereis, indubitavelmente.

16.

Depois sereis ressuscitados, no Dia da Ressurreição.

17.

E por cima de vós criamos sete céus em estratos, e não descuramos da Nossa criação.

18.

E fazemos descer, proporcionalmente, água do céu e a armazenamos na terra; mas, se quiséssemos, poderíamos fazê-la desaparecer.

19.

E, mediante ela, criamos, para vós, jardins de tamareiras e videiras, dos quais obtendes abundantes frutos, de que vos alimentais.

20.

E vos criamos a árvore, que brota no monte Sinai, a qual propicia o azeite, que consiste num condimento para os consumidores.

21.

Tendes no gado um instrutivo exemplo: Damos-vos de beber do (leite) que contêm as suas glândulas; obtendes delas muitos benefícios e dela vos alimentais.

22.

E sobre eles (os animais) sois transportados, da mesma maneira como nos navios.

23.

Havíamos enviado Noé ao seu povo, ao qual disse: Ó povo meu, adorai a Deus, porque não tender outro deus além d’Ele! Não (O) temeis?

24.

Porém, os chefes incrédulos do seu povo disseram: Esse não é mais do que um homem como vós, que quer assegurar a sua superioridade (sobre vós). Se Deus quisesse, teria enviado anjos (por mensageiros). Jamais ouvimos tal coisa de nossos antepassados!

25.

Não é mais do que um homem possesso! Porém, suportai-o temporariamente.

26.

Disse (Noé): Ó Senhor meu, socorre-me, pois que me desmentes!

27.

Então lhe revelamos: Constrói uma arca sob a Nossa vigilância e segundo a Nossa revelação. E quando se cumprir o Nosso desígnio e a água transbordar do forno, embarca nela um casal de cada espécie, juntamente com a tua família, exceto aquele sobre quem tenha sido pronunciada a sentença; e não intercedas junto a Mim em favor dos iníquos, pois que serão afogados.

28.

E quando estiverdes embarcado na arca, junto àqueles que estão contigo, dize: Louvado seja Deus, que nos livrou dos iníquos!

29.

E dize: Ó Senhor meu, desembarca-me em lugar abençoado, porque Tu és o melhor para (nos) desembarcar.

30.

Em verdade, nisto há sinais, conquanto já os tenhamos provado.

31.

Logo depois dele criamos outras gerações.

32.

E lhe enviamos um mensageiro, escolhido entre eles, (que lhes disse): Adorai a Deus, porque não tereis outro deus além d’Ele! Não (O) temeis?

33.

Porém, os chefes incrédulos do seu povo, que negavam o comparecimento na outra vida e que agraciamos na vida terrena disseram: Este não é senão um homem como vós; come do mesmo que comeis e bebe do mesmo que bebeis.

34.

E, se obedecerdes a um homem como vós, certamente sereis desventurados.

35.

Qual! Promete-vos ele que, quando morrerdes e vos tiverdes convertido em pó e ossos, sereis ressuscitados?

36.

Longe, muito longe está o que vos é prometido!

37.

Não há mais vida do que esta, terrena! Morremos e vivemos e jamais seremos ressuscitados!

38.

Este não é mais do que um homem que forja mentiras acerca de Deus! Jamais creremos nele!

39.

Disse (o Profeta): Ó Senhor meu, socorre-me, pois que me desmentem!

40.

Disse-lhe (Deus): Em pouco tempo se arrependerão.

41.

E o estrondo os fulminou, e os reduzimos a destroços (que a torrente carregou). Distância com o povo iníquo!

42.

Logo depois deles criamos outra geração.

43.

Nenhum povo pode adiantar ou retardar o seu destino.

44.

Então enviamos, sucessivamente, os Nossos mensageiros. Cada vez que um mensageiro chegava ao seu povo, este o desmentia. Então fizemos uns seguires outros, e fizemos deles escarmento (para outros povos). Distância com o povo incrédulo!

45.

Então enviamos Moisés e seu irmão como os Nossos sinais e uma evidente autoridade,

46.

Ao Faraó e aos seus chefes, os quais se ensoberbeceram, e foram um povo arrogante.

47.

E disseram: Como havemos de crer em dois homens como nós, cujo povo nos está submetido?

48.

E os desmentira, contando-se, assim, entre os destruídos.

49.

Concedemos a Moisés o Livro, a fim de que se encaminhassem.

50.

E fizemos do filho de Maria e de sua mãe sinais, e os refugiamos em uma segunda colina, provida de mananciais.

51.

Ó mensageiros, desfrutai de todas as dádivas e praticai o bem, porque sou Sabedor de tudo quanto fazeis!

52.

E sabei que esta vossa comunidade é única, e que Eu sou o vosso Senhor. Temei-Me, pois!

53.

Porém, os povos se dividiram em diferentes seitas, e casa se satisfazia com a sua crença.

54.

Deixa-os entregues a seus extravios, até certo tempo.

55.

Pensam, acaso, que com os bens e filhos que lhe concedemos,

56.

Aceleramos-lhes as mercês? Qual! De nada se apercebem!

57.

Quanto àqueles que são reverentes, por temos ao seu Senhor;

58.

Que crêem nos versículos do seu Senhor;

59.

Que não atribuem parceiros ao seu Senhor;

60.

Que dão o que devem dar, com os corações cheios de temor, porque retornarão ao seu Senhor;

61.

Estes apressam-se em praticar boas ações; tais serão os primeiros contemplados.

62.

Jamais imporemos a uma alma uma carga superior às suas forças, pois possuímos o Livro, que proclama a justiça e, assim, não serão defraudados.

63.

Porém, com respeito a isso, seus corações estão indecisos e, ademais, cometem outros atos, além desse.

64.

(Isso) até o momento em que castiguemos os opulentos, dentre eles; então, ei-los que grunhirão!

65.

Ser-lhes-á dito: Não protesteis, porque hoje não sereis socorridos por Nós

66.

Porque foram-vos recitados os Meus versículos; contudo, lhes voltastes as costas,

67.

Em ensoberbecido; passáveis noitadas difamando (o Alcorão).

68.

Porventura, não refletem nas palavras, ou lhes chegou algo que não havia chegado aos seus antepassados?

69.

Ou não conhecem seu Mensageiro, e por isso o negam?

70.

Ou dizem que está possesso! Qual! Ele lhes trouxe a verdade, embora à maioria desgostasse a verdade.

71.

E se a verdade tivesse satisfeito os seus interesses, os céus e a terra, com tudo quanto enceram, transformar-se-iam num caos. Qual! Enviamos-lhes a Mensagem e assim mesmo a desdenharam.

72.

Exiges-lhes, acaso, por isso, alguma retribuição? Saibam que a retribuição do teu Senhor é preferível, porque Ele é o melhor dos agraciadores.

73.

É verdade que tu procuras convocá-los à senda reta.

74.

Porém, certamente, aqueles que não crêem na outra vida desviam-se da senda.

75.

Mas se Nos apiedarmos deles e os libertarmos da adversidade que os aflige, persistirão, vacilantes, na sua transgressão.

76.

Castigamo-los; porém, não se submeteram ao seu Senhor, nem se humilharam,

77.

Até que lhes abrimos uma porta para um severíssimo castigo; e ei-los que ficaram desesperados!

78.

Ele foi quem vos criou o ouvido, a vista e o coração. Quão pouco Lhe agradeceis!

79.

Ele é quem vos multiplica, na terra, e sereis consagrados ante Ele.

80.

E Ele é Quem dá a vida e a morte. Só a Ele pertence a alternação da notei e do dia, não raciocinais?

81.

Ao contrário, dizem o mesmo que diziam os seus antepassados:

82.

Porventura, quando morrermos e nos tivermos convertido em ossos e pó, seremos ressuscitados?

83.

Havia-nos sido prometido o mesmo, tanto a nós como aos nossos antepassados; porém, isso é não mais do que fábulas dos primitivos.

84.

Pergunta-lhes: A quem pertence a terra e tudo quanto nela existe? Dizei-o, se o sabeis!

85.

Responderão: A Deus! Dize-lhes: Não meditais, pois?

86.

Pergunta-lhes: Quem é o Senhor dos sete céus e o Senhor do Trono Supremo?

87.

Responderão: Deus! Pergunta-lhe mais: Não (O) temeis, pois?

88.

Pergunta-lhes, ainda: Quem tem em seu poder a soberania de todas as coisas? Que protege e de ninguém necessita proteção? (Respondei) se sabeis!

89.

Responderão: Deus! Dize-lhes: Como, então, vos deixais enganar?

90.

Nós trazemos-lhes a verdade, porém, sem dúvida que são embusteiros!

91.

Deus não teve filho algum, nem jamais nenhum outro deus compartilhou com Ele a divindade! Porque se assim fosse, cada deus ter-se-ia apropriado da sua criação e teriam prevalecido uns sobre os outros. Glorificado seja Deus de tudo quanto descrevem!

92.

Possuidor do cognoscível e do incognoscível! Exaltado seja (Deus), de tudo quanto Lhe atribuem!

93.

Dize: Ó Senhor meu, se me fizeres ver (em vida) aquilo quanto ao que são admoestados...

94.

Ó Senhor meu, não me conteis entre os iníquos!

95.

Em verdade, podemos mostrar-te o que lhe temos prometido.

96.

Retribui, tu, o mal da melhor forma; Nós sabemos melhor do que ninguém o que dizem.

97.

E dize: Ó Senhor meu, em Ti me amparo contra as insinuações dos demônios!

98.

E em Ti me amparo, ó Senhor meu, para que não se aproximem (de mim).

99.

(Quanto a eles, seguirão sendo idólatras) até que, quando a morte surpreender algum deles, este dirá: Ó Senhor meu, mande-me de volta (à terra),

100.

A fim de eu praticar o bem que negligenciei! Pois sim! Tal será a frase que dirá! E ante eles haverá uma barreira, que os deterá até ao dia em que forem ressuscitados.

101.

Porém, quando for soada a trombeta, nesse dia não haverá mais linhagem entre eles, nem se consultarão entre si.

102.

Quanto àqueles cujas ações pesarem mais serão os bem-aventurados.

103.

Em troca, aqueles cujas ações forem leves serão desventurados e permanecerão eternamente no inferno.

104.

O fogo abrasará os seus rostos, e estarão com os dentes arreganhados.

105.

Acaso, não vos forem recitados os Meus versículos e vós os desmentistes?

106.

Exclamarão: Ó Senhor nosso, nossos desejos nos dominam, e fomos um povo extraviado!

107.

Ó Senhor nosso, tira-nos daqui! E se reincidirmos, então seremos iníquos!

108.

Ele lhes dirá: Entrai aí e não Me dirijas a palavra.

109.

Houve uma parte de Meus servos que dizia: Ó Senhor nosso, cremos! Perdoa-nos, pois, e tem piedade de nós, porque Tu és o melhor dos misericordiosos!

110.

E vós escarnecestes, a ponto de (tal escárnio) vos fazer esquecer da Minha Mensagem, poso que vos ocupáveis em motejar deles.

111.

Sabei que hoje os recompenso por sua perseverança, e eles serão os ganhadores.

112.

Dirá: Quantos anos haveis permanecido na terra?

113.

Responderão: Permanecemos um dia ou uma parte de um dia. Interrogai, pois, os encarregados dos cômputos.

114.

Dirá: Não permanecestes senão muito pouco; se vós soubésseis!

115.

Pensais, porventura, que vos criamos por diversão e que jamais retornareis a Nós?

116.

Exaltado seja Deus, Verdadeiro, Soberano! Não há mais divindade além d’Ele, Senhor do honorável Trono!

117.

Quem invocar outra divindade junto a Deus, sem prova para isso, saiba que a sua prestação de contas incumbirá só ao seu Senhor. Sabei que os incrédulos jamais prosperarão.

118.

E dize (ó Mohammad): Ó Senhor meu, concede-me perdão e misericórdia, porque Tu és o melhor dos misericordiosos!